segunda-feira, 30 de maio de 2016

Holambra - 2016

Saudações, pessoal!

Continuo por aqui e para alternar com as postagens mais longas que estou fazendo, falarei hoje sobre um fim de semana em Holambra, cidade do interior do estado de São Paulo. Em breve voltarei com a postagem do terceiro país visitado na Europa, a Itália.

Com a ideia de fugir um pouco da agitação de São Paulo e descansar um pouco, respirar um ar mais puro, nem que fosse por um fim de semana, procurei na internet algumas cidades que não fossem tão distantes da capital, para não ter uma viagem longa e cansativa, e no final, optei por Holambra.

A cidade possui menos de 15.000 habitantes e o ponto alto no ano é na época do fim do inverno e início da primavera, onde acontece a Expoflora, normalmente em agosto e setembro, já que a cidade é a maior exportadora de flores da América Latina. Nessa época, a cidade fica bem lotada. A época que escolhi para ir, foi o mês de maio.

Chegando na cidade, por volta das 11h, não poderia deixar de passar no Portal Turístico de Holambra, parada obrigatório para quem está chegando na cidade. Construção bonita, inspirada na arquitetura holandesa. Passando pelo portal, o destino foi o Moinho dos Povos Unidos, moinho do tipo Stellingkorenmolen, holandês, é o mais alto do país, com cerca de 36 metros de altura. Bastante imponente, fica num dos lugares mais altos da cidade. A visita é aberta ao público pagando um valor baixo e justo pela entrada. Você pode subir em quase todos os andares do moinho, vendo algumas informações técnicas e toda estrutura interna dele. Há uma área externa lá em cima para ver a paisagem em volta e tirar fotos. Voltei à noite para fazer uma foto noturna do local. :)

Portal Turístico
Moinho dos Povos Unidos
Moinho dos Povos Unidos (noturna)

O lugar escolhido para o almoço foi o restaurante Clube Fazenda Ribeirão, restaurante self-service que fica junto do Museu de Holambra. Restaurante bem espaçoso, comida típica e com ares caseiros, além de um preço bem popular. Recomendo!

Ainda antes de fazer o check-in no hotel, a sobremesa foi na confeitaria Zoet en Zout, à beira do Lago Vitória Régia. Lugar agradabilíssimo, aconchegante, com uma área externa com uma linda vista para o lago. Uma sobremesa lá foi pouco, por isso experimentei duas! :D Para mim, o melhor doce de Holambra.

Zoet en Zout com vista para o Lago Vitória Régia

Agora sim, hora de fazer o check-in e descansar um pouco. O escolhido foi o Top Centrum Hotel, reserva feita pelo site deles. Construção nova, extremamente bem localizado e bem confortável. O café da manhã não tinha muitas opções, mas ainda assim era tudo muito bom.


Após um bom descanso, afinal, essa era a ideia em ir para lá, foi a vez de um passeio à tarde pela cidade, passando por algumas lojinhas com construções típicas do lugar, encontramos a Companhia das Ervas, onde se encontram diversos temperos, pimentas, alguns doces e geleias, massas artesanais, etc. e logo após, um delicioso "café da tarde" na confeitaria e restaurante Martin Holandesa, bem tradicional e antiga na cidade. Recomendo os tradicionais bolinhos de bacalhau e de gorgonzola.

Comércio com construções típicas

Mais um descanso, porque ninguém é de ferro!

O jantar se deu no Casa Bela Restaurante, famoso por lá. Por ser mês de maio, achei que estaria menos cheio, me enganei. Porém no horário de chegada, por volta das 20h00, não foi necessário ficarmos em fila de espera, algo que já estava acontecendo quando saímos de lá. Atendimento eficiente e educado, os pratos não demoraram a chegar, mesmo já estando cheia a casa. Estavam maravilhosos! O preço não é popular, porém vale cada centavo pago, ao meu ver.

O saco é sem fundo, ainda mais no friozinho, então deixamos a sobremesa para a Martin Holandesa, excelente também, porém na minha opinião, não é melhor que a Zoet en Zout.

Antes de voltar ao hotel, mais um passeio pela cidade para conhecer e fotografar mais alguns detalhes dela, mais umas construções bem simpáticas e novamente o Lago Vitória Régia com seu chafariz, agora iluminado.

Um pouco mais das simpáticas construções
Lago Vitória Régia (noturna)
De volta ao hotel para descansar, café da manhã no dia seguinte e rumar para São Paulo novamente.

Cidade tranquila, calma, com excelentes (mas não muitas) opções para comer, próxima de São Paulo e que vale muito o passeio num fim de semana, mas creio eu que não mais que um fim de semana. Vale a pena e voltaria!

quarta-feira, 30 de março de 2016

Europa - Parte 2 - Espanha

Sexto dia de viagem, o voo partiu da cidade do Porto, em Portugal, em direção a Madri, na Espanha, onde posou às 18h40, horário local.

As passagens foram compradas antecipadamente direto no site da TAP, depois de pesquisa via SkyScanner. Alerto que apesar de você ter o direito em levar do Brasil para Europa duas malas de 32kg cada, mais a de mão, os voos internos na Europa normalmente permitem apenas uma mala de até 23kg, mais a mala de mão com até 5kg (há exceções para os dois casos). As dimensões também são controladas. Fique esperto e pesquise bem o que a companhia que for viajar te oferece.

A chegada no aeroporto foi sossegada, o metrô passa dentro do próprio aeroporto e a ida para o hotel foi tranquilíssima! Como não havia mais casa de familiares para ficar, então a estadia escolhida foi o Hostal Main Street Madrid, recomendo de olhos fechados. Ótima recepção, atendentes simpáticos e excelente localização, no centro de Madri, no mesmo quarteirão de duas estações de metrô (duas linhas diferentes) e em uma das avenidas mais importantes da cidade, a Gran Vía, recheadas de restaurantes, lanchonetes, bares, livrarias e lojas, inclusive conheci lá o El Corte Inglés, um shopping de departamentos, um paraíso das compras!

Hostal Main Street Madrid
Já estava escuro, porém houve tempo para um curto roteiro passando pelo imponente Palácio Real, residência oficial do Rei da Espanha, a Catedral de Sta María la Real de la Almudena, ou somente Catedral de Almudena, linda catedral e não distante dali, o Teatro Real! Finalizamos a noite com um lanchinho no KFC próximo ao hotel :)

Palácio Real
Catedral de Almudena
Teatro Real
Sétimo dia de viagem, o dia começa com um café da manhã numa lanchonete próxima, com parceria com o hotel, já que lá não possui espaço para isso. Achei o lugar razoável, porém o café ficou bem abaixo das minhas expectativas, uma rápida procura pelo site deles e pelo Booking, hoje, percebi que devem ter desistido de oferecer café da manhã. Melhor assim, já que o lugar fica numa região privilegiada para decidirmos onde tomar o café.

Na caminhada que iniciou-se pela Gran Vía em direção ao Museu del Prado, conheci apenas por fora a simpática Paróquia San Jerónimo el Real, pequena mas muito bem construída, cheia de detalhes maravilhosos. Como tinha hora marcada para entrar no museu, pois havia comprado os tickets pela internet previamente, corri em direção dele. Não me arrependi, excelente museu, não posso dizer se é o melhor deles, pois só deu tempo de visitar um na minha estadia na cidade, porém ainda assim, recomendo.

Paróquia San Jerónimo el Real
Museu del Prado
Saindo do museu, o passeio não foi curto, porém cheio de coisas belas e interessantes para ver: o prédio da bolsa de valores, Plaza e Palacio de Cibeles, construções que dão um belo cartão postal, o Congreso de los Diputados, a Plaza Puerto del Sol e Plaza Mayor, ambos locais de grande movimentação de público, com comércios, feirinhas e inúmeros artistas de rua se apresentado nas mais diversas formas, a pequena mas simpática Plaza de la Villa, a Iglesia Catedral Castrense, novamente a Catedral de Almudena, dessa vez para vê-la à luz do dia, a Plaza de Oriente com o monumento em homenagem às artes, erguido a mando da Isabel II, novamente o Palacio Real, só que agora com uma belíssima vista de dentro do Jardim Sabatine e para acabar essa primeira parte, uma visita ao Templo de Debod, uma das poucas construções egípcias fora do Egito, datado do século IV antes de Cristo e doado à Espanha na década de 60.

No caminho, o músico e seu cão cantante
Bolsa de Valores de Madri
Plaza e Palacio de Cibeles
Congreso de los Diputados
Artistas de rua
Artistas de rua
Catedral de Almudena
Plaza de Oriente com monumento em homenagem ás artes
Vista do Palácio Real de dentro do Jardines de Sabatini
Templo de Debod
Após muito andar e conhecer um pouco da cidade, a direção foi o Teleférico de Madri, na qual também adquiri os tickets previamente via internet ainda do Brasil, momento de descanso para contemplar de cima um pouco da paisagem arquitetônica do lugar. O almoço foi no fim do trajeto do teleférico, uma espécie de estação da atração. O preço não foi dos melhores, mas os lanches eram bons.

Vista do teleférico para a cidade
O fim da tarde terminou com um tour no estádio Santiago Bernabéu, de um dos maiores times da Espanha e do mundo, o Real Madrid. Para qualquer amante de esportes e principalmente futebol, a atração é obrigatória, não deixem de ir e evitem filas comprando ingresso via internet antecipadamente também.

Estádio Santiago Bernabéu
Para finalizar a noite, um passeio pelas ruas centrais de Madri e uma visita novamente a Plaza de Cibeles para eu fazer umas noturnas!

Plaza e Palacio de Cibeles
Edifício Metroplis / Centro de Madri
Oitavo dia de viagem, me despeço de Madri indo para a estação para embarcar no que eu achei o melhor meio de transporte da Europa, o trem! Rápido, sem burocracia, sem complicações, sem demora! Não há necessidade em chegar horas antes como num voo. É chegar 10 minutos antes da partida, embarcar no seu lugar reservado e seguir viagem! Fiz minhas reservas pelo site da Renfe. Atenção para as formas de entrega dos bilhetes que variam de empresa para empresa ou de lugar para lugar, há formas de receber em casa no Brasil, de imprimir pela internet ou mesmo de trocar o voucher pela passagem na própria estação.

Região do hotel em Madri
O trem partiu de Madri às 11h30 com chegada às 14h40 em Barcelona. Mais uma vez os parabéns para o transporte público da Espanha, saí do trem de viagem e já segui no metrô em direção ao hotel. A hospedagem foi no II Gaudi BCN, numa rápida pesquisa hoje, descobri que o nome mudou para ANK. Fica a 250 metros da estação de metrô e próximo aos mais diversos pontos turísticos, a maioria deles para ir a pé também. A reserva mais uma vez fiz pelo Booking.

Antigo II Gaudí BCN e atual ANK
Entardecer em Barcelona, uma rápida passadinha em frente a Casa Batlló para uma foto, já que a visita completa mesmo seria no dia seguinte e o destino foi a Casa Milà, bem próximas uma da outra, é também conhecida como La Pedrera, patrimônio mundial da UNESCO igualmente com a Casa Batlló. Um edifício que por si só é a arte. Não deixem de visitar o prédio por dentro e principalmente a cobertura.

Casa Batlló
La Pedrera
La Pedrera
Logo após essa visita, já a noite, foi a vez de conhecer algumas áreas próximas dali e do hotel como a grande Praça da Catalunha, lugar de grande movimento e de uma belíssima fonte ao "centro", o Arco do Triunfo (Barcelona também tem um), porém, ao invés dos arcos tradicionais que o assunto geralmente é militar, esse de Barcelona tem a ver com artes e é um pouco mais novo que seu amigo de Paris. E por fim, o Palau de la Música Catalana, mais um edifício/obra de arte para ver e se encantar!

Praça da Catalunha
Arco do Triunfo
Palau de la Música Catalana
Nono dia de viagem, após um bom café no hotel, foi a vez de sair para um dos dias mais cansativos da viagem, porém claro, também cheio de coisas boas para conhecer! Infelizmente o tempo era curto na cidade, muitas atrações para pouco tempo, então tive que pular algumas coisas.

O passeio nesse dia começou com o Arco do Triunfo, dessa vez à luz do dia, o Mercat Del Born, um enorme centro cultural construído sobre uma antiga ruína, mas como eles a encontraram a tempo, construíram algumas passarelas por cima dessa construção, poupando esse achado histórico da cidade. Continuamos com a Basílica de Santa Maria del Mar, na minha humilde opinião, na cidade só perde em beleza para a Sagrada Família. O Parlamento de Catalunya, orgão do poder legislativo de lá e que fica dentro do Parc de la Ciutadella, um bonito e tranquilo parque da cidade, o primeiro de Barcelona. O na minha concepção, grandioso aquário da cidade. A região portuária com suas docas e embarcações luxuosas e o Mirador de Colón, construído em homenagem a Cristovão Colombo na revitalização da área portuária.

Basílica de Santa Maria del Mar

Parlamento de Catalunya
Aquário de Barcelona
Docas/Porto

Mirador de Colón
E não acabou não, saindo dessa área há um teleférico que sobe para o Castell de Montjuic, uma antiga fortaleza do exército espanhol no topo da montanha de mesmo nome, com vista para toda Barcelona. Logo após, foi a vez do Camp Nou, o estádio do Barcelona, talvez o maior time do mundo (exceto o Corinthians) e que seria impossível para mim, passar pela cidade sem fazer um tour completo por ele! O tempo infelizmente não para e a sequencia foi o Templo Expiatório da Sagrada Família ou somente, a Sagrada Família. Já estava entardecendo, mas houve "tempo de sobra" para apreciar diversas áreas dessa construção magnífica projetada por Antoni Gaudí, com certeza sua maior obra e que até hoje não está completamente finalizada. Creio que deixaria qualquer apreciador de grandes construções de queixo caído. Conheci também uma das torres mais altas do templo, a parte boa é que se sobe de elevador!

Castell de Montjuic
Camp Nou
Sagrada Família
Sagrada Família
Sagrada Família
Para finalizar o passeio gigantesco desse dia, fui à Casa Batlló, agora com uma visita completa, por dentro e com mais calma. Não tenho dúvidas que valha muito a pena ver todas aquelas belezas de formas e cores! Saindo da casa, uma voltinha tranquila na sempre movimentada Las Ramblas para comer algo e onde deu para dar uma passadinha rápida na pequena Parròquia de la Mare de Déu de Betlem, uma igreja pequena mas com muitos detalhes internos de grande bom gosto.

Casa Batlló
Casa Batlló
Lembro novamente que adquiri várias das entradas antecipadas via internet, para evitar filas. Foram os casos do Aquário, Camp Nou, Sagrada Família e Casa Battló. A tristeza ficou por conta do Poble Espanyol, uma espécie de vila construída na década de 20, na qual se contempla nas muitas construções, a diversidade arquitetônica da cidade. Um museu a céu aberto, digamos, cheio de lojas e restaurantes. Ingresso já estava comprado, mas calculei mal o tempo, infelizmente.

Seguiremos em frente em breve!

sexta-feira, 11 de março de 2016

Europa - Parte 1 - Portugal

Como escrevi em minha postagem introdutória do blog, escreverei e colocarei fotos sobre algumas viagens que realizei, sendo assim, começo logo abaixo!

Entre dezembro de 2013 e janeiro de 2014, realizei uma viagem de 27 dias por 6 países da Europa. Decidi que a viagem passaria pelo maior número de países e cidades possíveis, sem que prejudicasse a minha experiência. E assim foi.

Depois de pesquisar bastante, as passagens foram compradas no site da TAP. O "buscador" que me mostrou o melhor preço, na época, foi o Skyscanner.

A viagem começou saindo do Aeroporto Internacional de Guarulhos, no dia 14 de dezembro de 2013 às 20h40, com destino ao Porto, em Portugal e com chegada às 8h40 do dia 15 de dezembro de 2013, onde considero o primeiro dia da viagem. Esse foi um dia para descansar do voo, conversar com familiares e fazer um tranquilo passeio noturno pelas margens do Rio Douro, na divisa entre Porto e Vila Nova de Gaia. A cidade estava bem tranquila, relativamente fria, por volta de 8ºC. Muito bom para caminhar, sem se cansar muito. Claro que levei câmera e tripé e aproveitei para fazer muitas fotos noturnas do lugar, principalmente das vistas para a Ponte Luis I e Rio Douro. É realmente lindo!

Rio Douro com Ponte Luis I
Rio Douro com Ponte Luis I
Margens do Rio Douro
Praça da Ribeira
Segundo dia da viagem, hora de conhecer ao menos parte do centro histórico do Porto. Deixamos o carro num lugar próximo ao centro e fomos andar, parte a pé, parte de metrô. Passeio agradável e tranquilo, passando pela Casa da Música, prédio moderno e interessante de se ver, Igreja da Trindade, Câmara Municipal do Porto, Monumento a D. Pedro IV na Praça da Liberdade e a Estação Ferroviária São Bento, uma magnífica construção com seus lindos painéis de azulejos que contam parte da história de Portugal.

Um outro destaque é a Catedral do Porto, conhecida apenas como Sé do Porto, catedral que teve iniciada a sua obra, nada mais, nada menos que no século XII, espetacular!

Creio que não possa faltar uma subida na chamada Torre dos Clérigos, onde se tem uma linda vista de "toda" a cidade do Porto, fui próximo ao por-do-sol e foi um belíssimo espetáculo!

Vale também uma passada no Majestic Café, um dos cafés mais tradicionais do mundo. Infelizmente não tomo café, mas dizem que realmente é muito bom! O chocolate quente e seus doces são um espetáculo!

Citar o funcionamento do Metro do Porto talvez seja válido, tanto por informação, quanto por curiosidade. Você pode comprar seu bilhete numa das máquinas automáticas nas entradas das estações, porém, ao procurar por catracas, perceberá que as estações não as possuem! O mais próximo disso, são apenas alguns validadores distanciados um dos outros, que você deverá passar seu bilhete antes de entrar para as plataformas, sem catraca, sem funcionários! Claro que lá a evasão é bem pequena, uma pela educação da maioria da população, outra pela fiscalização que não deixa barato. Dentro de alguns trens irá perceber alguns funcionários, que aleatoriamente, conferem se passamos ou não o bilhete no validador, se for pego, a multa é pesadinha e pode chegar a 90 euros! Não sejam espertinhos! :)

Casa da Música 
Igreja da Trindade
Câmara Municipal
Monumento a D. Pedro
Estação Ferroviária São Bento
Sé do Porto
Majestic Café
Vista da Torre dos Clérigos

Terceiro dia de viagem, hora de pegar estrada e conhecer um pouco mais do norte de Portugal. A viagem vai até Manteigas, vila pequena e bonita no meio das montanhas mais altas do país (considerando as terras do continente), a região faz parte do Parque Natural da Serra da Estrela. No trajeto até lá é preciso tomar muito cuidado, já que as estradas são bem úmidas e escorregadias no inverno, início da formação de neve e gelo. Chegamos e almoçamos num tranquilo restaurante chamado "A Cascata", estava vazio, provavelmente devido a época, mas fomos muito bem atendidos e a comida estava deliciosa, recomendo!

A viagem segue até a Estância de Ski Serra da Estrela, o lugar é enorme e muito bonito, porém, a vista estava muito prejudicada devido ao intenso nevoeiro que cobria a região. Foi a primeira vez que vi neve na vida, embora não estivesse nevando propriamente dito no momento. Lá em cima tem uma estrutura razoável e conta com todo o equipamento de ski para quem quer praticar o esporte. Vale a pena conhecer e passar um dia nessa região.

Vila de Manteigas
Caminho até a Estância de Ski da Serra da Estrela
Caminho até a Estância de Ski Serra da Estrela
Estância de Ski da Serra da Estrela
Saindo de lá fomos em direção a Belmonte, meu objetivo era conhecer o Castelo de Belmonte, já que sou alucinado por castelos! E não fiquei decepcionado, o castelo é uma bela construção. Conheci tanto a parte externa, quanto a interna dele, além da parte externa da capela, que fica ao lado do castelo. Experiência fantástica para quem gosta do tema!

Castelo de Belmonte
Castelo de Belmonte
Capela
Vilarejo

Quarto dia de viagem, esse dia foi reservado para algumas compras pro restante da viagem, algumas visitas, um dia mais light, então sigamos para o quinto dia!

Quinto dia de viagem, o objetivo era conhecer mais dois locais no país, Cinfães e Guimarães, a primeira para o sul do Porto e a segunda para o norte do Porto. O trajeto até Cinfães é realmente muito bonito e já mais próximo da cidade, cruzamos com o Rio Tâmega e depois novamente o Rio Douro, o mesmo do Porto.

Cinfães é mais uma das pequenas vilas medievais de Portugal de que eu tanto adoro. Chegando lá fizemos um lanche num lugar chamado, "O Poeta", um pequeno café em frente a Igreja Matriz da cidade. Lugar simples, mas aconchegante e com um bom atendimento, novamente foi um lugar que não estava cheio, prefiro sempre assim.

Um dos destaques da vila é a Igreja Matriz, datada do século XVIII, fica localizada numa das partes mais antigas da cidade. Após conhece-la por dentro e por fora e uma breve andada no entorno, foi hora de pegar estrada e seguir para o norte, para Guimarães.

Trajeto entre Porto e Cinfães
Praça Central
Igreja Matriz
Igreja Matriz

Guimarães é uma cidade um pouco maior que as outras visitadas, exceto Porto. Admito aqui que não entendo muito bem a divisão política/regional que Portugal faz: vilas, vilarejos, distritos, freguesias, cidades, regiões, sub-regiões, etc. Portanto, me perdoem se citar algo como um deles, sendo outro. Chegando lá, uma das primeiras coisas foi subir até o Castelo de Guimarães, mais um local muito esperado por mim na viagem! Um maravilhoso castelo que consegui fotografar ainda com tempo bom!

Saindo de lá, uma rápida passada na pequena Igreja de São Miguel do Castelo e logo em seguida, o Paço dos Duques de Bragança, todas belas construções e uma pertinho da outra, vale a pena visitar!

Já ao anoitecer, uma voltinha para ver um pouco mais do centro histórico, já que o tempo não ajudou muito, com chuviscos parando e voltando em vários momentos. Vale destacar nessa área a Igreja Nossa Senhora da Oliveira, com uma espécie de "coreto" em frente a ela, na qual fazem parte do Largo da Oliveira. Logo em seguida, a Praça de São Tiago, com suas residências e diversos bares e restaurantes. Gostei muito também de uma praça (acho que é uma praça), que leva o nome de Jardim do Largo Condessa de Juncal. Resumindo, cidade encantadora, pequena, porém não minúscula e que toda vez que penso ou vejo fotos, dá vontade de voltar.

Castelo de Guimarães
Paço dos Duques de Bragança
Centro de Guimarães
Igreja Nossa Senhora da Oliveira e "coreto"
Largo da Oliveira
Jardim do Largo Condessa de Juncal

Sexto dia de viagem, último com fotos dos passeios em Portugal. Como sou um fotógrafo que algumas vezes acaba sendo um pouco minucioso, fiz questão de visitar mais alguns lugares da cidade do Porto, dessa vez, de dia. Repeti alguns locais que já havia fotografado a noite, misturando com alguns outros no entorno, para poder pegar ângulos diferentes e locais inéditos pra mim.

Voltei, claro, a fazer fotos do Rio Douro, Ponte Luis I e das proximidades. O tempo estava magnífico e pude tirar muitas fotos!

Logo depois, o trajeto foi até o Farol de Felgueiras, hoje desativado, mas ainda relativamente bem conservado. Acabei dando sorte e as ondas estavam enormes, formando um belo espetáculo! Confiram.

Rio Douro e barcos de transporte do vinho do Porto
Rio Douro e Ponte Luis I
Rio Douro e Ponte D. Maria Pia
Rio Douro, Ponte Luis I com destaque para o Metro da cidade
Molhe de Felgueiras
Farol de Felgueiras

Confesso que eu tinha uma visão de Portugal que não era das melhores em relação ao restante da Europa, porém, nesses dias que fiquei e conheci, mudei completamente minha ideia. País de mil maravilhas, povo receptivo, arquitetura e natureza exuberantes. Recomendo demais!

No final da viagem, vigésimo sexto e vigésimo sétimo dia, voltei para Portugal para fazer algumas comprinhas, despedir dos familiares e pegar o voo de volta para o Brasil. Voltarei ao país assim que possível, dessa vez, para conhecer as regiões do sul!

Às 16h30 foi a saída do voo para Madri na qual contarei mais detalhes na próxima postagem.